terça-feira, 30 de novembro de 2010

Imagens para meditar








Imagens para você salvar no celular, no computador e, principalmente, guardar na mente.

Imagens para meditar







Mais imagens AQUI e AQUI

Qual seu tipo de Bíblia?



Mais uma do genial Júnior, do Karapuça

O Aplauso Dos Homens


O aplauso dos homens era o vento que impulsionava a vela dos religiosos nos dias de Jesus...

O aplauso dos homens era o vento que impulsionava a vela da vida dos Fariseus...



Um Evangelho Moribundo!

Visto como na sabedoria de Deus o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação.( 1Co 1.21)



Logo o escândalo da cruz está aniquilado.( Gal 5.11 ).



Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.(1Jo 2.16). 






Vivemos para Deus - C. H. Spurgeon

Para o Senhor vivemos. Romanos 14.8

Se Deus o quisesse, cada um de nós teria sido levado ao céu no momento da conversão. Não era absolutamente necessário, em nossa preparação para a imortalidade, que nos demorássemos neste mundo. E possível uma pessoa ser levada ao céu e ser encontrada pronta a tomar parte da herança dos santos na luz, mesmo que ela tenha acabado de crer em Jesus. E verdade que nossa santificação é um processo longo e contínuo, e não seremos aperfeiçoados até que abandonemos nosso corpo e adentremos o véu; mas, apesar de ter o Senhor desejado fazer assim, Ele poderia ter mudado o nosso estado, da imperfeição para a perfeição, e nos transportado imediatamente ao céu.

Então, por que estamos aqui? Nosso Deus manteria qualquer de seus filhos fora do Paraíso por um momento além do necessário? Por que o exército do Deus vivo ainda está no campo de batalha, quando apenas um ordem poderia lhe dar a vitória? Por que seus filhos ainda estão vagueando aqui e ali, por um labirinto, quando uma única palavra de seus lábios os traria ao centro de suas esperanças no céu? A resposta é: eles estão aqui a fim de viverem para o Senhor e trazerem outros ao conhecimento do amor dEle. Estamos neste mundo como semeadores da boa semente; como aradores, para sulcar a terra não-cultivada; como arautos, para proclamar a salvação. Estamos aqui como o "sal da terra" (Mateus 5.13), a fim de sermos uma bênção para o mundo. Estamos aqui para glorificar a Cristo em nossa vida diária, e trabalhar para Ele e cooperar com Ele (ver 2 Coríntios 6.1). Tenhamos certeza de que nossas vidas cumprem esses objetivos. Vivamos com seriedade, utilidade e santidade, para o louvor da glória da graça dEle (ver Efésios 1.6). Entrementes, esperamos estar com Ele e cantamos diariamente:

Meu coração está com Ele em seu trono,
E mal pode a demora agüentar;
A cada momento esperando ouvir a voz,
"Levanta-te, vem sem tardar1."

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Daniel e a estátua de Nabucodonosor

TEXTO:
Daniel - 2
1. Ora no segundo ano do reinado de Nabucodonosor, teve este uns sonhos; e o seu espírito se perturbou, e passou-se lhe o sono.
2. Então o rei mandou chamar os magos, os encantadores, os adivinhadores, e os caldeus, para que declarassem ao rei os seus sonhos; eles vieram, pois, e se apresentaram diante do rei.
3. E o rei lhes disse: Tive um sonho, e para saber o sonho está perturbado o meu espírito.
31. Tu, ó rei, na visão olhaste e eis uma grande estátua. Esta estátua, imensa e de excelente esplendor, estava em pé diante de ti; e a sua aparência era terrível.
32. A cabeça dessa estátua era de ouro fino; o peito e os braços de prata; o ventre e as coxas de bronze;
33. As pernas de ferro; e os pés em parte de ferro e em parte de barro.
34. Estavas vendo isto, quando uma pedra foi cortada, sem auxílio de mãos, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro, e os esmiuçou.
35. Então foi juntamente esmiuçados o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro, os quais se fizeram como a pragana das eiras no estio, e o vento os levou, e não se podia achar nenhum vestígio deles; a pedra, porém, que feriu a estátua se tornou uma grande montanha, e encheu toda a terra.
36. Este é o sonho; agora diremos ao rei a sua interpretação.
INTRODUÇÃO
A Bíblia Sagrada possui grandes tesouros, mas muitos não os buscam, deixando todos esses tesouros a deriva. Todas as questões estão respondidas na bíblia, não há nada que fique sem resposta.
Uma questão que por muito tempo o homem vem tentando buscar resposta é a cerca do futuro da raça humana na face da terra. Questão que nós os crentes já sabemos, pois somos adoradores da boa Palavra de Deus.
Nesta mensagem quero trazer do fundo dos segredos da bíblia algumas respostas para algumas perguntas que incomodam muitas pessoas, tais como: O que deverá realmente acontecer? Será que Deus se preocupa com seu povo? Teria Deus nos deixados sozinhos à vontade da sorte? A maldita doutrina idólatra romana subsistirá?
Receba nesta mensagem o néctar que Deus preparou para nós.
Em II Pedro 1:19, é nos revelado que as profecias bíblicas são tão importantes como a chegada da luz em um local escuro. É por isso que a luz da palavra de Deus irá brilhar em sua vida através da revelação na mensagem que iremos compartilhar, O MISTÉRIO DA ESTÁTUA DE NABUCODONOSOR, esta que sem dúvida é a mais linda profecia bíblica a respeito do futuro.
QUEM ERA NABUCODONOSOR?
Nabucodonosor, filho de Nabupolassar. Seu reinado tem início em 604 a.C. Torna-se o principal soberano dessa segunda fase e transforma Babilônia na "rainha da Ásia". Líder militar de grande energia e crueldade, ele aniquila os fenícios e obtém a hegemonia no Oriente Médio, com exceção do Egito. Na segunda metade do século VI a.C., conquista Jerusalém e realiza a primeira deportação de judeus para a Mesopotâmia, no episódio conhecido como o cativeiro da Babilônia. Com sua morte, após 42 anos de poder, o reino entra em declínio e, em 539 a.C., a Babilônia é conquistada por Ciro, rei dos Persas (559 a.C. - 529 a.C.).
O SONHO DO REI NABUCODONOSOR
Certa noite estava o rei Nabucodonosor em seus aposentos, talvez e uma noite quente do oriente, que talvez também preocupado com fatos a respeito do futuro, então pensativo ele pega no sono, e durante a madrugada ele tem um sonho que segundo a bíblia o deixou perturbado, pois além de ter sido um sonho totalmente diferente, ele também se esqueceu do sonho que teve.
Então Nabucodonosor manda chamar todos os sábios, encantadores, os magos, os adivinhos e os feiticeiros de seu reino (e com certeza lá tinha bastante) para tentarem lhe falar qual era o sonho que ele tinha sonhado e também lhe dar a interpretação do sonho, mas nenhum deles pode realizar tal proeza. Enfurecido Nabucodonosor manda matar todos eles, porém quando o capitão do Rei chega até a pessoa de Daniel para o matar, juntamente com seus amigos, conhecidos por Sadraque, Mesaque e Abdnego, Daniel lhe diz que ele voltasse ao rei e lhe pedisse tempo, pois ele iria pedir a Jeová que lhe concedesse a revelação e a interpretação do sonho.
O sonho que Nabucodonosor havia tido era o descrito nos versículos 31 a 36 e então após contar para o rei qual era o sonho que ele havia tido, Daniel cheio do poder de Deus também lhe revela qual seria o significado de seu sonho.
O SIGNIFICADO DO SONHO DE NABUCODONOSOR
32. A cabeça dessa estátua era de ouro fino;... (ver vs. 37 e 38).
Esta declaração torna evidente que a cabeça de ouro simbolizava o grande e poderoso império babilônico, mas ainda com toda a sua grandeza Babilônia deveria passar e viria outro grande império depois dele, porém não tão grande como o império babilônico, simbolizado pelo peito e braços de prata.
32. o peito e os braços de prata;... (ver vr. 39).
Este seria o segundo império que viria depois do babilônico. Este reino seria o Medo-Pérsia, representada pelo peito e braços de prata. Pois em 539 aC. O grande imperador Ciro, general Persa, derrotou o império babilônico e estabeleceu a Segunda potência Universal.
32. o ventre e as coxas de bronze;... (ver vr. 39).
Duzentos anos mais tarde, em aproximadamente em 331 aC. o império Medo-Pérsia se desmoronava diante das forças da Grécia, comandadas pelo então imperador Alexandre, o Grande. Dentre todos os impérios anteriores, este foi o mais longo domínio que existiu até então. Este império representado pelo ventre e quadrisNabucodonosor, assim como os outros também daria lugar a um outro império.
33. As pernas de ferro;... (ver vr. 40).
As pernas de ferro simbolizavam o quarto império na interpretação de Deus através de Daniel.Em 168 aC. ocorreram três campanhas militares, onde Roma dominou o reino da Grécia e se tornou a quarta potência mundial. Este domínio foi o que mais durou, sendo o mais extenso e mais poderoso dentre todos. Era então imperador deste domínio o soberano César Augusto. Foi durante este período, o período das pernas de ferro também se deu o nascimento de Jesus, e seu ministério juntamente com os apóstolos também se desenvolveu nesta época.
33. ...;e os pés em parte de ferro e em parte de barro.
34. Estavas vendo isto, quando uma pedra foi cortada, sem auxílio de mãos, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro, e os esmiuçou. (ver vr. 41).
Este não era um novo império, mas as divisões do quarto império, pois Roma tornou-se um reino dividido em dez reinos. Isto realmente aconteceu em 476 dC., quando o antigo império romano foi atacado pelos povos germânicos, dividindo-se então em dez poderes distintos, conforme a numeração dos dedos dos pés da estátua.
Destas divisões se formaram os francos que vieram depois a ser a França; os alamanos que vieram a ser a Alemanha; os anglo-saxões que vieram as ser a Inglaterra; os visigodos sendo depois a Espanha; os suevos sendo mais tarde Portugal; os burgundos que vieram a ser a Suíça; os lombardos sendo o norte da Itália e os hérulos, vândalos e ostrogodos que foram mais tardes todos destruídos.
Depois do quarto império, o Romano, não iria se levantar outro império, este império seria dividido e assim permaneceria. Essa era a definição da interpretação vinda de Jeová.
E esse reino dos pés de ferro misturado com barro será regido pelo anti-cristo e o falso profeta   e o Anticristo se sentará no templo de Deus 
2:43. "Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão com semente humana, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro".
Houve uma tentativa de unir esses reinos para então se formar um quinto reino universal, mas foi fracassada.
Quando se deu a 1ª Guerra Mundial, quase todos os reis ou monarcas da Europa eram parentes, pois veja só. A rainha da Inglaterra, Rainha vitória, também era chamada a "avó da Europa", pois quase todos os outros reis pertenciam à sua dinastia, por exemplo, o rei da Inglaterra, o czar da Rússia, o rei da Espanha, o imperador da Alemanha, eram todos, brigando entre si nesta guerra, e o resultado de tudo isso foi que quase todos os reinos caíram e foram substituídos por Repúblicas.
Também temos exemplos de outros governantes que tentaram unir a Europa e também fracassaram, como Adolf Hitler da Alemanha, Napoleão Bonaparte da França, Carlos V da Espanha e outros como Luiz XIV, Carlos Magno, mas a profecia se mantinha inabalável, NÃO SE LIGARIAM UM AO OUTRO, era o que estava escrito.
Mas ainda deveria vir outro reino, mas não da terra, e sim do céu.
O QUINTO REINO UNIVERSAL MUNDIAL
No versículo 44 e 45, vemos o desfecho do sonho do rei Nabucodonosor, com a interpretação nas palavras de Daniel, que agora compartilharemos aprendendo junto sobre algo a cerca do futuro, revelado por Jeová.
"44. Mas, nos dias desses reis, o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos esses reinos, mas ele mesmo subsistirá para sempre",
"45. Da maneira que viste que do monte foi cortada uma pedra, sem auxílio de mãos, e ela esmiuçou o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro; o grande Deus fez saber ao rei o que há de ser depois disto. Certo é o sonho, e fiel a sua interpretação".
Em seu sonho o rei Nabucodonosor viu uma pedra que esmiuçou os pés da estátua e toda a estátua, vindo a encher toda a terra, pois esta pedra representa o Reino de Deus que será estabelecido para todo o sempre, que se dará na segunda vinda de Jesus Cristo, nos mostrando que todos os governos terrestres serão aniquilados.
Analisando esta passagem bíblica chegamos a conclusão de que estamos vivendo no tempo representado pelos dedos dos pés da estátua, assim concluindo que o a chegada do Reino de Deus está muito próximo.
CONCLUSÃO
Dou graças a Deus por isso, pois esta tem sido a fonte da esperança de cada cristão, a chegada do REINO DE DEUS sobre a terra, haja vista que por muito tempo todos temos pronunciado em nossas orações a frase "venha a nós o Vosso Reino".
Quando o fim dessa profecia se cumprir, então chegará o tempo de paz e harmonia, e todos aqueles que pediram e esperaram perseverando em orações darão graças a Deus, e seus lábios cantarão cânticos de louvores e adoração ao Senhor.
Por isso não cesse de pedir a Deus "Venha a nós o Vosso Reino", pois assim com certeza será feita a vontade dEle.
Creia nesta palavra e viva esta profecia todos os dias de sua vida.
Mateus 6.
9. Portanto, orai vós deste modo: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10. Venha a nós o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;
Salmo 37.
9. Porque os malfeitores serão exterminados, mas aqueles que ESPERAM NO Senhor herdarão a terra.
Pr. Alexandre Augusto

De Deus era a Peleja - C. H. Spurgeon

Muitos caíram feridos a espada, pois de Deus era a peleja.
1 Crônicas 5.22

Guerreiros que lutam sob a bandeira do Senhor Jesus, observem este versículo com alegria santa, pois, assim aconteceu na antigüidade, e assim também acontece em nossos dias. Se a peleja é de Deus, a vitória é certa. Os filhos de Rúben, os gaditas e a meia tribo de Manasses mal puderam reunir um exército de quarenta e cinco mil guerreiros. Apesar disso, em sua luta contra os hagarenos, eles mataram cem mil pessoas. Eles "clamaram a Deus, que lhes deu ouvidos, porquanto confiaram nele" (1 Crônicas 5.20).

O Senhor não salva por meio de muitos ou poucos. Se avançamos em nome de Jeová e não passamos de um punhado de homens, o Senhor dos Exércitos está conosco como nosso Capitão. Os israelitas não deixaram de lado a espada, o escudo e o arco, mas não colocaram nestas armas a sua confiança. Temos de usar todos os meios adequados, mas a nossa confiança tem de estar apenas no Senhor. Ele é a espada e o escudo de seu povo. A grande razão para o extraordinário sucesso dos israelitas esteve no fato de que a peleja era de Deus.

Amado, em sua luta contra o pecado, no íntimo ou no exterior; contra o erro de práticas e de doutrina; contra a impiedade espiritual em níveis altos ou baixos; contra os demônios e os aliados do diabo, você está na guerra de Jeová. A menos que Ele possa ser derrotado, você não precisa temer a derrota. Não esconda-se diante de números maiores, não recue diante das dificuldades ou impossibilidades, e nem se esquive dos ferimentos ou da morte. Golpeie com a espada de dois gumes do Espírito e os mortos jazerão em montes. "Do SENHOR é a guerra" (1 Samuel 17.47). Ele lhe entregará nas mãos os seus inimigos. Com o passo firme, mão forte, coração destemido e zelo ardente, corra para a batalha e as hostes do mal voarão como minúsculos resíduos na ventania.

Enterrado Vivo


Carlos Moreira

Deus está morto, e o seu túmulo é a igreja”. A frase famosa de Friedrich Nietzsche, filósofo alemão do século XIX, filho de uma família luterana, homem que pensou em seguir o sacerdócio, mas que “rejeitou a fé” durante a adolescência para dedicar-se a filosofia, é de chocar, a primeira vista. Mas para entender o pensamento de Nietzsche, primeiramente, você deve lê-lo. Criticá-lo utilizando-se de frases feitas por fundamentalistas é por demais clichê. A leitura de um filósofo é como a leitura de um profeta, nunca deve ser feita fora de sua matriz existencial, de seu tempo, sua cultura e sociedade. São estes matizes históricos que constroem o mosaico sobre o qual o pensamento e as palavras de alguém ganham significado.

As críticas de Nietzsche ao cristianismo e as suas asseverações sobre a “morte de Deus”, sobretudo aquelas encontradas no livro “Assim Falou Zaratustra”, precisam levar em consideração a herança medieval que a igreja de seu tempo trazia consigo. O “Deus” que o filósofo afirma que está morto é o ídolo que entorpece os sentidos e percepções humanas, o ser castrador, manipulador e egocêntrico criado pela Instituição, o “Deus” do dogma, da repressão, do medo e da punição.

Se Nietzsche vivesse em nossos dias, observando as aberrações praticadas em nossas “igrejas”, seus escritos seriam transmutados de profanos para proféticos! O que se faz hoje, comparado com o que se fez na idade média, transforma os monstros da santa inquisição em criancinhas dóceis de escola dominical. Creia-me, em termos de bizarrice, deformidade, estelionato e manipulação, nada se compara ao que estamos assistindo ao vivo e a cores nos cultos de várias denominações, nos shows gospel de “astros evangélicos”, nas campanhas e correntes de “fé”, onde o sincretismo associa práticas judaizantes, religiões de mistérios, macumba, feitiçaria e espiritismo, tudo em nome de “Deus”.

Esta afirmação de Nietzsche de que o túmulo de Deus é a igreja não é despropositada. No passado, era prática comum enterrar as pessoas dentro de igrejas, sobretudo aquelas que possuíam maiores posses. Assim, famílias influentes, ricas e poderosas, tinham seus próprios jazigos nos corredores e assoalhos das catedrais e igrejas. Sacerdotes também eram enterrados no “solo sagrado”, sobretudo em locais próximos ao altar ou mesmo abaixo dele.

Com a pandemia da peste negra na Europa no século XIV, que dizimou aproximadamente 75 milhões de pessoas, o sepultamento em igrejas tornou-se algo inviável. Nesta época, sobretudo por questões de saúde pública, os cemitérios começam a ser implantados nos grandes centros. Assim, os sepulcros sacros, tanto do lado de dentro quanto do lado de fora das igrejas, foram totalmente abandonados, ficando a prática restrita apenas ao clero que, em determinados lugares, ainda mantinha o ritual.

Tudo isto me veio à mente porque eu tenho considerado a “igreja” dos nossos dias como cemitério de gente, mas com uma distinção fundamental em relação ao passado: é que hoje as pessoas estão sendo enterradas vivas, ou seja, elas vão sendo sepultadas paulatinamente, em doses homeopáticas. Sei que a afirmação é terrível, mas a explicação é lógica e simples. Se não, vejamos...

O sujeito vem do “mundo” com sua vida arrebentada, desacreditado de tudo, desencontrado de si mesmo, de sua própria alma, cético e, por vezes, cínico. Não raro sua família está escangalhada, isso quando ele já não vêm separado. Os filhos, via de regra, são um outro grande problema, pois ou cresceram com péssimas referências, ou estão sendo criados pela TV e pelas babás. Sexo é outra dificuldade. A grande maioria vem de relacionamentos “reciclados”, com parceiros dos mais diversos com os quais trocaram não apenas “fluidos”, mas simbiotizaram suas próprias almas e espíritos com gente de todo tipo. Isso dilui o ser, torna a substância interior uma pasta, muda referências e até padrões comportamentais e psicológicos.  

Não bastasse tudo isso, tem as questões periféricas, não obstante importantes. Por exemplo, a vida financeira, quase sempre está desarrumada. Movidas pela concupiscência dos olhos e pela necessidade de manter aparências, as pessoas de nossos dias fazem do cartão de crédito o que poetizou o Cazuza, uma navalha. Ética é outro tema confuso, sobretudo tratando-se de práticas profissionais, pois, para manter privilégios ou garantir oportunidades as pessoas estão dispostas a relativizar o absoluto e absolutizar o relativo.

Pois bem, vindo com esta “bagagem” toda nas costas, enfim, o sujeito aporta na “igreja”... Ah, que alívio! Que bom! Que maravilha! Mas a ilusão dura pouco, apenas o tempo necessário para ele constatar como as coisas, de fato, funcionam. A máquina institucional-religiosa é cruel e não poupa ninguém. Não há fé que resista, não há paixão que suporte. É aí que começa a morte compulsória, o enterro antecipado, o sepultamento desdobrado em módicas parcelas.       

Massacrado por práticas perversas, dogmas irrefutáveis, liturgias alucinógenas, ritos, mitos, medos, modos, e mais um compêndio de doutrinas bizarras, que vão dos absurdos “usos e costumes”, até o pagamento do imposto-dízimo, o fiel vai tendo a sua consciência cauterizada, suas emoções anestesiadas, seu coração petrificado, suas inquietações aumentadas e suas contradições ainda mais realçadas. Em resumo, passa a viver na igreja em situação pior do que vivia fora dela. Pode?!

De fato, creio que a “igreja” tornou-se novamente um cemitério, um lugar onde a morte é mais propagada que a vida. Ela vem embalada de várias maneiras: é nas leis eclesiais, nas proibições, nas castrações, na propagação do medo – medo do inferno, do diabo, do castigo, medo da alegria, da diversão, da cultura, do saber, e até medo de Deus! E assim, a cada domingo, a cada “culto”, a cada pregação, o sujeito vai perdendo a vida, não da forma como Jesus falou, que é a perda que produz ganho, mas da pior forma possível, a perda que produz frustração, angústia e inconformismo.

Há muitos anos atrás eu aprendi algo importante: que o lugar mais rico da terra era o cemitério. Sim, o cemitério é o lugar onde muitos sonhos foram enterrados, onde livros que nunca foram escritos estão sepultados, onde canções que nunca foram compostas se perderam, onde idéias que nunca se materializaram foram soterradas, onde negócios que jamais se realizaram sucumbiram, onde relações que poderiam ser construídas desapareceram, onde a vida foi tragada pela morte. Ali existe um tesouro incontável, mas que não tem qualquer proveito.  

Quero lhe dar um conselho: não permita que sua igreja se transforme num cemitério! Não se deixe enterrar vivo! Não morra sem realizar os sonhos de Deus! Não perca sua alegria, não permita que sua esperança sucumba, não consinta com o sepultamento de sua consciência, de sua razão, de sua autocrítica, de sua sensibilidade, de seu gosto pelo belo, pela arte, pela música, pela dança, pelo amor! Fuja de todo radicalismo, fuja de toda ortodoxia neurótica, fuja de todo fundamentalismo insano, fuja de toda dogmatização presunçosa. Nada disto tem a ver com o Evangelho ou com Jesus de Nazaré, pois seu convite é para que experimentemos a vida, nunca a morte!
 
Georges Clemenceau escreveu: “os cemitérios estão cheios de pessoas insubstituíveis”. Quero lhe afirmar com toda convicção: para Deus você é único, irrepetitível e insubstituível!   Ele não lhe vê como mais um, pois você não é um número, nem um rosto na multidão, não é um dizimista, nem mesmo um crente, mas sobre todas estas coisas você é Filho, pois, segundo João, todos que receberam a Cristo foram constituídos membros da Família de Deus.

Eu tenho certeza que um dia serei sepultado. Não sei quem fará o ofício, mas espero um funeral de categoria, com muita música e alegria. Quero que celebrem a minha vida, nunca a minha morte, pois eu, naquele momento, estarei indo de encontro para aquilo que fui designado, para ser inteiro, completo, para conhecer como sou conhecido, para não mais ver por espelho, mas face a face, para tornar-me ser integral, com corpo ressurreto e vida eterna.

Por fim, quero dizer só mais uma coisa: não estou com nenhuma pressa de morrer e muito menos de ser sepultado antes da hora, principalmente, porque ainda estou vivo. E mais: Deus não está morto, mas vive, não pode, todavia, ser algemado a uma igreja, pois, por sofrer de claustrofobia, não é possível ser contido ou enclausurado. Quem puder entender que entenda...

Carlos Moreira é culpado pelo que escreve. Julgado, tornou-se réu do Genizah. Outros textos seus podem ser lidos em A Nova Cristandade


Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/2010/11/enterrado-vivo.html#ixzz16fgN7iQH
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike

O Propósito do Casamento: Destruindo Visões Populares de Felicidade Conjugal


PARTE 01

PARTE 02

PARTE 03

DOWNLOAD:
AVI

Por Paul Washer. © HeartCry Missionary Society Inc. Website: heartcrymissionary.com
Tradução e Legenda: voltemosaoevangelho.com
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que adicione as informações supracitadas, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Bob Thune - Como discipular um transexual (2)


O problema é que nem sempre acreditamos que o evangelho seja relevante para os cristãos. Sempre pensamos no evangelho no contexto do evangelismo. Pensamos no evangelho como o ABC do cristianismo, o ponto de partida, aquilo que os não-crentes precisam ouvir, a porta pela qual você entra no cristianismo. Uma vez que você está dentro, você deve ir além do evangelho, deve ir para as horas silenciosas, livros religiosos, CDs de adoração.

Ryan tinha certeza de que, na nossa concepção, estávamos “dentro” e ele estava “fora”. Ele sabia que, aos olhos do cristão comum, ele era um cara realmente mau, um transexual acima de qualquer coisa! Então Ryan constantemente orientava a conversa para seu estilo de vida, a única coisa que parecia mantê-lo “fora” aos olhos da maioria dos cristãos. Ele foi à igreja gay da cidade, mas lhe disseram que seu estilo de vida não importava. Aparentemente, ele estava tentando que dissesse algo semelhante: “Tudo bem ser transexual, você pode seguir a Jesus assim mesmo.” Mas, mais profundamente, eu sentia uma questão muito mais poderosa em jogo: “Eu sou quebrado, mais pecaminoso, mais desesperançado do que você?”.

Então, eu mudei o rumo da conversa. Mudei o foco do estilo de vida dele para nosso pecado comum e para a rebelião de toda a humanidade contra Deus. Eu lhe disse que o real problema não era sua confusão sexual, mas o seu pecado. Ele queria ouvir que ele era pior do que o seu vizinho. Eu lhe disse que ele não era. Então, eu peguei minha bíblia e o levei a ler em voz alta alguns dos mais famosos versos sobre pecado. Focalizei no fato de que todos pecaram, todos se voltaram contra Deus, que todos precisam ser reconciliados com o criador. Nossos pecados externos podem ser diferentes uns dos outros, mas nossos corações são sempre maus igualmente. Então, fui um passo à frente: Falei do meu próprio pecado.

“Ryan, quer saber sobre mim? Sou um louco por controle. Eu sempre quero ter tudo sob meu controle. Gosto de me colocar no lugar de Deus e tentar controlar os resultados. Sou grosso e áspero com minha esposa e filhos. Sou julgador quando as pessoas não vivem de acordo com minhas regras e padrões. Eu não consigo amar as pessoas como Jesus as ama. Eu amo as pessoas nos meus próprios termos, do jeito que eu acho que elas merecem ser amadas, baseado nos meus critérios. Eu trato mal e fico com ressentimentos quando as pessoas não enxergam as coisas da mesma forma que eu. Eu me curvo e acabo me vendendo ao ídolo Controle. Ryan, eu sou um pecador, e Jesus é minha única esperançca.”

De repente, Ryan começou a ficar mais tranquilo. A conversa mudou completamente. Ele caiu de joelhos e, em lágrimas, confiou em Jesus ali mesmo, no meio da cafeteria. (Na verdade, ele não fez isso não. Mas esse era o final que você estava esperando, não é? Pare imediatamente!) A conversa realmente mudou completamente, porque Ryan entendeu que seu estilo de vida era uma questão secundária. Ali eu estava, um pastor heterosexual, casado, dizendo a ele que meu coração era tão sujo, pecaminoso e quebrado como o dele. A única diferença era que eu confiava em Jesus para me reconciliar com Deus e transformar meu coração, e ele não confiava.

Somos muito bons em dizer aos não-cristãos que eles precisam de Jesus. Nenhum cristão realmente sábio viraria para o Ryan e diria, “Mude o seu estilo de vida primeiro, depois nós poderemos trabalhar com seu coração.” Nós sabemos que uma mudança interior mais profunda deve vir primeiro; faça com que a árvore seja boa, então seu fruto será bom (veja Mt 12:33). Então, porque não pensamos da mesma forma no discipulado?

O evangelho não é o ABC do cristianismo; ele é o A a Z do cristianismo. Quando nos esquecemos do evangelho, traímos nossos discípulos. Damos a impressão de que ser seguidor de Jesus significa ser menos quebrantado, menos pecador, menos desesperançado. Então, criamos um sistema de castas cristão: existem os realmente pecadores (não-crentes), os ainda pecadores (novos convertidos), e as pessoas que fingem que não são pecadoras (cristãos maduros).

Isso não só é obviamente não-bíblico, mas é também contrário ao senso comum. Jesus disse que aqueles que são muito perdoados irão amar muito (Lucas 7:47). Os cristãos maduros de verdade não são aqueles que pensam que são menos pecadores, mas aqueles que percebem a profundidade do seu pecado e estão se apegando mais firmemente em Jesus como sua única esperança.

Para testar essa verdade, simplesmente pergunte-se como a minha conversa com Ryan seria diferente se eu simplesmente tivesse dito, “É, você está realmente perdido, mas as boas notícias são que, se você confiar em Jesus, você poderá ser tão bom quanto eu sou.” Você pode ser esperto o suficiente (ou políticamente correto o suficiente) para não dizer isso a um transexual. Mas se o seu discipulado não for fundamentado no evangelho, é exatamente isso que você está dizendo aos seus liderados.

Por Bob Thune. © The Gospel Coalition. Website: thegospelcoalition.org
Tradução: Iprodigo.com


PASTOR TAMBÉM É GENTE



Pastor sente, chora, ri, dá gargalhada, fica triste, aborrecido...

Pastor também dorme, fica cansado, também dorme!!!

Pastor também tem fome, precisa comer, ronca o estômago...

Pastor também tem necessidades fisiológicas, vai ao banheiro, tem dor de barriga, solta gases... rsrs

Pastor também tem família, que precisa ser pastoreada, precisa ser cuidada como esposo e pai...

Pastor também peca!!! (oohh)

Pastor também foi um dia remido pelo sangue de Cristo...

Pastor também ainda está prosseguindo para o Alvo...

Pastor também precisa, a todo momento, da graça e misericórdia de Deus!!!

Afinal, pastor também é gente como a gente...


Por: Grácia Carolina Chini Donadeli, esposa de pastor que sabe que ele também é gente... Por e-mail para o Genizah

Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/#ixzz16J23ASyf
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

O PORCO

 


Por Paul Washer. © HeartCry Missionary Society Inc. Website: heartcrymissionary.com
Tradução e LegendaCanal Estreito Caminho
copiado do: http://voltemosaoevangelho.blogspot.com/

Não me fale do evangelho...



 Não me fale do evangelho...

...se você não conhece o sistema prisional
...se você não sente compaixão pelos que estão presos
...se você não entende que poderiam ter feito de outra forma
...se você não tenta fazer algo para melhorar a situação dos presos
...se você quer fazer justiça com as próprias mãos
...se você não percebe que os presos tem direitos
...se você nunca procurou saber como eles vivem
...se você nem imagina como eles dormem na prisão
...se você não sabe como são tratados os presos
...se você apenas critica e julga os condenados
...se você não ora pelos apenados
...se você nem sequer jejuou pelos criminosos
...se você nunca ouviu a versão de um condenado

Me fale do evangelho...

...se o Espírito que está sobre você, te ungiu para libertar os cativos
...se você se entristece e compadece de um criminoso
...se suas palavras são de esperança, de fé e amor
...se você age em favor dos encarcerados
...se você prega a libertação dos apenados
...se você está indignado pela má condição nas cadeias
...se você não suporta a injustiça
...se você ouve mais do que fala
...se você mais defende do que acusa
...se você mais abraça do que acena

Me fale do evangelho, se o seu evangelho for o de Jesus Cristo. Mateus capítulo 25.39. O evangelho de Jesus!



Por Otávio Guilherme, nosso colaborador da Rádio Arca Online

Imagens para meditar










Salve no computador, no celular e principalmente, guarde na mente! =)

Numa loja gospel perto de você




- Boa tarde! A paz do Senhor! O irmão já conhecia a nossa loja?

- Eu já passei aqui em frente algumas vezes.

- o irmão entrou por causa da promoção dos CDs de louvores santos?!

- Não. Eu entrei por que...

-Ah, então deve estar a procura do maravilhoso clássico da literatura gospel “A divina revelação do...”

- Também não estou querendo isso!

- O que eu quero é...

- Já sei! O varão deseja o lindo shofar da extravagância! Está vendendo feito água, mas ainda tenho um pra você. É pra presente?

- não meu querido...

- Então é pra o irmão mesmo, né?

- Eu não quero nada disso! Tudo que eu quero é uma Bíblia!

- A minha está velha e toda anotada aí pensei em comprar uma nova.

- Ah! Porque o varão não disse logo?!

- E qual tipo o irmão precisa?

- bem...

- tenho aqui o ultimo lançamento a bíblia do fogo santo! Ela foi ungida pelo apóstolo “Famosão”! E já vem com uma rajada de poder!

- Tenho também a bíblia Gospel show, comentada pelo missionário “O cara” e custa a bagatela de R$ 999,00.

- Nossa!

- Mano, nem tenho como comprar a Bíblia que eu quero aqui não!

- claro que tem irmão!

-não tenho não!

- Por quê?

-Porque se uma Bíblia comentada por este tal missionário custa R$ 999,00 imagina quanto deve custar uma Bíblia de Jesus?

(o vendedor fica em silêncio... e eu vou embora com a minha bíblia maltrapilha, mas é minha.)

Izidro Santos

fonte: http://profetirando.blogspot.com/2010/11/numa-loja-gospel-perto-de-voce.html

Quem disse?

Eliel Vieira

Olha só!

Quem disse,
Que para o evangelho crescer,
Lobby político eu preciso fazer?

(Dilma e Serra eram cristãos a mil,
Até que o resultado da eleição saiu!)

Quem disse,
Que para o evangelho propagar,
Eu preciso na porca TV estar?

(Vitória em Cristo e Show da Fé,
Você ainda vê isto, seu Mané?)

Quem disse,
Que para o evangelho viver,
Tipo “Valadão” eu tenho que ser?

(Exibicionismo em shows e na TV...
Muito “nada AV”!)

Quem disse,
Que para Deus louvar,
Toque no Altar eu tenho que cantar?

(Toque no Altar ou Trazendo a Arca?
Olha... é melhor não entrar nesta barca...)

Quem disse,
Que quando o Malafaia baboseiras falar,
Eu tenho que me calar e simplesmente as aceitar?

(Será que se a unção dos 900 reais eu abraçar,
Deus vai enfim me prosperar?)

Quem disse,
Que se o (P)Edir Macedo roubar?
Pela internet eu não posso denunciar?

(Faça uma boa ação,
Ridicularize o Macedo de montão!)

Quem disse,
Que todo “milagre” que o Valdomiro narrar,
Eu devo igual um bobo acreditar?

(Seria o tráfico de armas dos pastores do Valdomiro,
Um simples milagre mal sucedido?)

Quem disse,
Que você só vai cristão ser,
Se você for “Renascer”?

(Apóstolo e Bispa?
Ih... vê se chispa!)

Sou crítico?
Sim!
Estou desviado?
Não!
Pareço desviado?
Talvez.
Mas prefiro assim ser,
Do que, contra minha vontade, abraçar o feio evangeliquês!


Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/search?updated-max=2010-11-23T05%3A00%3A00-08%3A00&max-results=6#ixzz16Ddfgg6m

Eu Já Acreditei...

Eu Já Acreditei...




Carlos Moreira

Eu já acreditei na amizade como um bem inalienável, como o encontro de corações que se completam, como sentimento que permeia a vida, transpassa a alma, vai no âmago do ser.

Eu já acreditei na solidariedade como manifestação humana aos caídos da terra, na sensibilização do ser ante a miséria alheia, na dor que dói em mim porque dói também no outro.

Eu já acreditei na fidelidade como bem para a vida, como marca do caráter, como prova de amor, como dádiva de Deus.

Eu já acreditei na “Igreja” como instituição mediadora da fé, como meio de propagação do Evangelho, como local de acolhimento de perdidos e excluídos da sociedade.

Eu já acreditei no “Evangelho” como doutrina de ressignificação da consciência humana, como matriz de valores para a vida, como mensagem de reconciliação entre o Eterno e o finito.

Eu já acreditei no amor como encontro de corpo, de alma, de espírito, como encontro de olhares, de tatos, de afetos, de afagos, como síntese do que se pode viver de melhor na existência.

Eu já acreditei na verdade como princípio, como tônica máxima na expressão do ser, como valor a ser buscado e cultivado por aqueles que cansaram da mesmice e da mediocridade.

Eu já acreditei no espírito empreendedor humano, nas realizações, na criação, na execução de obras, na criação de produtos, no desenvolvimento de sistemas.

Eu já acreditei na razão, na lógica, na argumentação bem fundamentada, na conversa olho-no-olho, na ética.

Eu já acreditei na ciência, no empirismo, na capacidade humana de manipular a natureza, domá-la, transformá-la, convertê-la em “produto” a favor da vida e do bem.

Eu já acreditei em sonhos, em fazer mapas, em sair da vulgaridade, da rotina, da linha de produção em série, do pensamento commoditizado, da unanimidade burra.

Eu já acreditei que era importante acreditar, acreditei que acreditando seria capaz de acreditar ainda mais e que acreditar era algo indispensável a vivência do ser humano.

Mas como tenho dito, eu já acreditei... Hoje, não acredito mais. Acordei. Perdi o romantismo, perdi a sensibilidade, perdi a esperança, perdi as convicções, perdi o entusiasmo, perdi o sorriso, perdi o medo.

Resta-me, ainda, um resquício de fé. Resta-me, ainda, uma fagulha de Deus. Talvez, então, algum dia, ainda volte a acreditar...


Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/#ixzz16DcMtPrh
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...